Sustentabilidade Ambiental

Recursos hídricos: como implementar a gestão no seu negócio?

Como é a gestão de recursos hídricos na sua empresa? Confira quais são os métodos existentes, um pouco sobre o cenário hídrico nacional e o que a Raízen está fazendo!

Por: Time de Etanol, Açúcar e Bioenergia da Raízen Data: 22/03/2022 Tempo de leitura: 13 minutos Minutos

Você realiza a gestão dos recursos hídricos no seu negócio? Além de ajudar a minimizar a escassez de água, sua empresa economiza nos gastos e pode contribuir positivamente para o consumo consciente desse recurso no país.

Os recursos hídricos são essenciais para o desenvolvimento de atividades agrícolas, lavouras e outros ecossistemas. Por isso, a falta de água resulta no desequilíbrio ecológico.

Entenda mais sobre o assunto ao decorrer da matéria!


O que são recursos hídricos?

Recursos hídricos é o nome dado a toda água que pode ser usada em alguma atividade, incluindo as de regiões terrestres e subterrâneas.

Apenas 2,5% da água do mundo é doce e, desse número, 68,9% compõe geleiras, neve nos cumes das montanhas e lagos congelados. Além disso, 29,9% se encontra em aquíferos (formações geológicas que armazenam água subterrânea).

O resultado é apenas 1,2% de água doce em rios e lagos (que é o recurso utilizado pela população).

Tipos de recursos hídricos

Existem três tipos de recursos hídricos:

● Superficiais

● Subterrâneos

● Atmosféricos

Em todos eles, há a presença do ciclo natural da água, em que ela permuta entre os estados sólido, líquido e gasoso.

Atividades como geração de energia elétrica, abastecimento doméstico e industrial, irrigação de culturas agrícolas, navegação, recreação, aquicultura, piscicultura, pesca e afastamento de esgotos dependem dos recursos superficiais e subterrâneos.

Como o ciclo hidrológico não é equilibrado ao redor do planeta, a distribuição de água é desigual pelas regiões.


Qual é a situação dos recursos hídricos no Brasil?

Estamos em boa posição quanto à disponibilidade de recursos hídricos, representando 12% desses recursos ao redor do mundo.

O Brasil contém 19 vezes o volume mínimo de água disponível para cada habitante, de acordo com o valor de referência definido pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Além disso, as três bacias hidrográficas com maior volume de água doce do mundo estão aqui: Amazonas, São Francisco e Paraná! Cerca de 60% da Bacia Amazônica é de domínio brasileiro e ela escoa ⅕ do volume total de água doce do planeta.

Também nos destacamos em relação às regiões subterrâneas, contendo uma reserva de 112 mil km³, que faz parte do Aquífero Guarani e se estende pelo Paraguai, Uruguai e Argentina.


Como funciona a gestão de recursos hídricos no Brasil?

Segundo a constituição, não existem águas particulares ou privadas, tampouco com domínio municipal: todas as águas pertencem a todos os estados.

Entretanto, a hierarquia de gestão de recursos hídricos no Brasil envolve:

Conservação de recursos hídricos: como colocar em prática nas empresas?

Existem diferentes maneiras de conservar os recursos hídricos em uma empresa, como: optar pelo reúso, dessalinizar, diversificar a captação de água, realizar a transposição ou despoluir.

Conheça cada forma a seguir:

Reúso

A água de reúso é voltada a fins não potáveis, podendo ser processada de forma direta ou indireta.

No caso do uso indireto, a água é liberada em corpos hídricos após o uso, com ou sem tratamento prévio. Já a forma direta é o uso planejado da água residuária, onde são realizados tratamentos.

Pelo menos em 50 países do mundo, a técnica de águas residuais para irrigação já é utilizada.

Dessalinização

Este método consiste na remoção dos sais dissolvidos na água do mar ou nas águas salobras subterrâneas, produzindo água doce.

As técnicas utilizadas para essa solução são: osmose inversa (utilizada pelo Arquipélago de Fernando de Noronha), destilação multiestágios, dessalinização térmica e congelamento.

De acordo com a Associação Internacional de Dessalinização (IDA), o tratamento já é utilizado em 150 países, como Austrália, Estados Unidos, Espanha e Japão.

Captação

A água da chuva como fonte de captação já integra a legislação de água no Brasil. Para esse processo, devem ser utilizadas áreas impermeáveis, como o telhado.

Essa técnica é restrita ao uso não potável e é voltada a torneiras de jardins, bacias sanitárias e lavagem de veículos e roupas.

Na China, por exemplo, há uma experiência com as chamadas “cidades-esponja”, em que construções absorvem água da chuva de forma rápida e segura.

Despoluição

Nesta técnica, é preciso livrar as fontes de água de organismos contaminantes, para torná-la potável. Já existem algumas tecnologias voltadas para esse fim, como a The Water Cleanser, da Austrália.

O Rio Tâmisa, do Reino Unido, é um exemplo de caso de despoluição. O processo de recuperação levou cerca de 50 anos, através de tratamento de esgoto. Além desse rio, o Reno, na Europa, já permite a vida aquática depois de 20 anos de tratamento.

Transposição

Através do bombeamento artificial, a água é transferida de um local para o outro, desviando o curso dos rios (e não o leito).

O Rio São Francisco é um exemplo de rio que teve a transposição iniciada em 2007, para elevar a oferta de água no Nordeste.


Recursos hídricos na Raízen: conheça o Programa ReduZa!

Como compromisso público para 2030 com a gestão hídrica, nos comprometemos a reduzir em até 10% a captação de água de fontes externas no período de moagem nas nossas Unidades Industriais (que representam 95% do uso de água na Raízen).

Para isso, temos o premiadíssimo Programa ReduZa, cujo foco é a melhor gestão hídrica que, desde sua implantação, vem apresentando resultados excepcionais.

O Programa foi implantado em 2015 como um projeto, mas logo se tornou um Programa, pela robustez nos conceitos e resultados.

É um Programa que busca reduzir os impactos ambientais advindos do uso da água. Essa gestão consciente é continuamente compartilhada entre todas as Unidades Industriais.

Desde a sua implementação, já reduzimos 12 bilhões de litros do volume total de água captada, o que representa 16% a menos no consumo!

Em relação a safra 20’21, já conquistamos uma redução de 1,8 bilhão de litros de água de fontes externas captados durante o período de moagem, volume suficiente para abastecer uma cidade de mais de 44 mil habitantes – em linha com a recomendação da ONU de 110 litros/dia por habitante.


Raízen em uma visão 360º de gestão hídrica

O ReduZa se tornará o Programa de Gestão Hídrica para todas as Plataformas de Negócios, as quais já contam com outras iniciativas bem-sucedidas, como em nossos terminais e portos.

Sem água, nossos negócios não existiriam. Por isso, fazemos um uso racional de água e estimulamos continuamente nossos times a praticar seu melhor uso, inclusive levando esses conceitos para seus lares.

Ou seja: essa ideologia permeia desde o plantio de cana (onde a água da chuva é primordial) – com manufatura, produção de açúcar, etanol, energia e bioprodutos – até nossas operações em terminais, portos, aeroportos e escritórios.

Imagine 40 mil famílias praticando no seu dia a dia o uso racional de águas? Sem dúvidas, é uma contribuição significativa!


Conheça nossos números envolvendo a gestão hídrica!
Cana-de-açúcar (assim como a superfície da Terra, é composta por 70% água!)
  • 53 bilhões de litros
Água captada
  • 64 bilhões de litros vem de fontes externas (superficial e subterrânea) nas 31 unidades da Raízen
  • 6 bilhões de litros nos terminais, aeroportos e demais operações da Raízen
Volume total
  • 123 bilhões de litros (número que representa o consumo anual de uma cidade de 3 milhões de habitantes – considerando o padrão de 110 litros/habitante/dia.


Também usamos água para gerar vapor nas caldeiras das Unidades, produzir energia elétrica, além de energia para equipamentos das Unidades. A água é usada também em sistemas de resfriamento para nos trocadores de calor.

Nas bases e terminais, usamos água como sistema de combate a incêndio – sem reserva de água de combate a incêndio não podemos operar.


Conheça nossos números em produção de Etanol, Açúcar e Bioenergia!
  • Produzimos mais de 12 milhões de kg de vapor a cada uma hora
    Isso corresponde a 8,5 milhões de panelas de pressão cozinhando durante uma hora ao mesmo tempo, com a válvula de alívio aberta.

  • Circulamos nas torres de resfriamento mais de 330 milhões de litros de água por hora – ou 92 m3/s (metros cúbicos por segundo). Para se ter uma ideia, a vazão média do Rio Piracicaba é de 144 m3/s e, nos períodos de estiagem intensa, chega a apenas 17 m3/s.



Gostou do conteúdo? Confira nossa Agenda ESG completa, com compromissos públicos e sustentáveis para 2030!

Conheça a Raízen

Para garantir a energia que move o mundo, temos um ecossistema integrado e
único de atuação: desde a produção e venda de energia renovável e açúcar a partir
da cana-de-açúcar, levando também essa energia para diversos cantos no mundo.

Cadastre seu e-mail para ficar por dentro das últimas novidades.

Ao se inscrever você concorda com a política de prívacidade. E-mail cadastrado com sucesso!